31 agosto 2008

As férias

O nosso quarto sempre desarrumado, a inexistência de grandes tarefas domésticas, levar sopas congeladas, olhar pouco para o relógio, colocar as filhas a dormir na mesma cama (e mandá-las calar muitas vezes), estar com amigos, estar com família, simplesmente estar. Esta última semana foi isto.

As férias em imagens - 3




As diferenças

De férias com o sobrinho com menos um ano que a Maria, dá para perceber as abismais diferenças entre sexos. Aos rapazes cabe fazer disparates, ignorar avisos e tratar os objectos com violência. Às meninas, amuar, choramingar queixinhas e cobiçar os brinquedos alheios.

30 agosto 2008

Nas férias, tive uma tarde sem crianças.

Bocejei o tempo todo mas vi uma história de amor.
(com a minha cunhada Marta)



A diversidade no campo.

414 fotografias.

Voltámos.

Lar, doce lar.

27 agosto 2008

Quase no fim das férias

a terminar em beleza com esta semana numa cidade-campo, Viseu. Por aqui, encontrar conhecidos é quase certo, desde que se saia à rua. Há melhores férias do que estar no sossego do campo mas a 5 minutos de carradas de amigos e família? Não há.

Primos

Rúben, 3 anos: "Maria, conheces os Jogos Olímpicos?"

22 agosto 2008

Consta que está fresquinho mais a Norte.

Já lá vai o tempo em que o Verão tinha de ser mesmo calor, para mim. Vamos passear um bocadinho. Voltamos já.

Joaquim, 9 meses.

Conversa e muito. Só agora se começa a sentar com segurança, este preguiçoso reizinho cá de casa. Delira com brincadeiras, mas é com as irmãs que vibra mais.



21 agosto 2008

Cá em casa,

a Marta não é fã de triplo salto. Com a vitória de Nelson Évora (viva!) e as constantes repetições de saltos e quedas na areia, a Marta chora em desespero, a apontar para a televisão. É certo, o "menino" está a cair, mas e explicar-lhe que é de propósito?


Marta, 21 meses

Espanto-me com a forma e velocidade a que esta miúda se desenvolve, e depois tenho de fazer o exercício mental que está quase nos dois anos, e é por isso. A minha bebé de colo de há um ano, que tantas preocupações me dava à medida que a minha barriga crescia, está uma criança. Nunca se lembra da existência dela sem o irmão e por isso ele seja mesmo o único que possa estar ao nosso colo sem ela se importar. Fala pelos cotovelos, em português e em dialecto próprio. Gesticula como uma crescida e está na fase em que não sabe lidar com a frustração. Atira com as coisas quando não as consegue concretizar. Desesperante e encantador.

(Agosto de 2007)


20 agosto 2008

Chen Ruolin

1.36m, 30 kg, 15 anos. Caramba.


Uma vez compilei

as minhas melhores fotografias tiradas ao céu com nuvens, para oferecer a um amigo no seu aniversário, também ele grande apreciador. Foi das prendas mais fáceis de conseguir e com a menor dúvida se o outro iria gostar. Eu sabia do que se tratava.
Mais difícil é aventurarmo-nos no desconhecido só para agradar a alguém. Todas as semanas recebo nuvens de presente, num blogue só para mim, e eu não sei como agradecer.

Obrigada, Ana.

19 agosto 2008

No Acampamento,

uma das participações do grupo dos mais pequeninos (até aos 4 anos).


Coisas que não mudam com o tempo

Gostar de ver os Jogos Olímpicos.


18 agosto 2008

Os 30 anos devem trazer isto e eu acho que é bom.

Descubro que depois de ter passado uma juventude a passar largas horas na praia, dentro do mar, que tudo o que eu apreciava ali não é possível com os filhos: os mergulhos prolongados, o adormecer a ler na toalha, o ouvir música constante, o som das ondas como fundo nos sonhos.

Os dias com filhos na praia não trazem muito mais do que isto (trouxeram-nos a boa companhia dos amigos, felizmente), resguardo-me na ideia que terão sempre boas semanas com a Escola e deslumbro-me cada vez mais com o campo, com o verde, com os passeios a qualquer hora, com o silêncio, com as compras sempre possíveis sem confusão, as sestas demoradas mas sem excesso de cansaço.

Descubro também, que apesar de ser uma pessoa com dificuldade em estar sem algo para fazer, que já o consigo realizar nas férias. Não fazer nada ou simplesmente estar.

Bichinhos carpinteiros, só no dia-a-dia.

"Mamã,

o papá diz que eu tenho os dedos estragados!",


foi a pequena chama para atear a fogueira do drama na vida desta criança de 4 anos. Que os dedos estavam assim porque tinha estado muito tempo dentro de água, e que passaria num instante, não serviu como justificação. Acreditava mesmo que se lhe tinham estragado os dedos e o pai não se poupou a fazer pouco do caso.



Marta na praia

demorou a perceber que o andar na areia era diferente, mas uma questão de treino. O mar, esse também a assustou, provavelmente o barulho das ondas. Não fosse esta uma miúda de combate e ao fim do segundo dia já era tudo território dominado.

As férias em imagens - 2




17 agosto 2008

Encerramos a segunda semana de férias

com um espalho nas escadas, ainda com vestígios de areia da praia, na casa onde estávamos. Deve aconselhar a prudência que não se descem escadas com uma mochila às costas, uma mala de viagem numa mão e uma criancinha de catorze quilos ao colo. Acabei o dia no Hospital com a visão do meu pé direito a raio x ligeiramente distorcida.

Avizinhavam-se uns belos dias no campo, que serão adiados em função das melhoras por aqui.

Reizinho na praia




As férias em imagens





15 agosto 2008

Segunda semana de férias

quase a chegar ao fim. Fomos quatro adultos e cinco crianças a fazer praia. Tudo na logística de sair com crianças cansa, mas a de fazer praia então, é de deixar cada músculo do corpo dorido. Não me lembro de ter sentado na toalha mais do que cinco minutos seguidos e recordo-me das caras de alívio ao nosso redor quando chegava a hora de sairmos.

12 agosto 2008

Semana no Acampamento em Água de Madeiros (3)

O bebé simpatia que teve colo non stop a semana inteira. Para ele, tudo está bem. Ninguém resiste aos seus inúmeros sorrisos e graças à sua personalidade calma, pude colocá-lo a dormir ou estar com ele ao lado sem ter de faltar a uma única actividade. Ao terceiro filho, gozo um acampamento em pleno e estou mais descansada do que quando tinha uma só.

Semana no Acampamento em Água de Madeiros (2)

A única vez que tinha estado no Acampamento, habitava na minha barriga. Foi como se sempre lá tivesse estado, esta miúda independente que por onde passa alguém tem sempre algo a dizer sobre a forma de estar na vida. Permanecia com as crianças em todas as actividades e quando aparecia para as refeições comia tudo como sempre e dormia grandes sestas. Não consigo reter na memória tudo o que me vieram dizer sobre ela, mas a idade em que se encontra e a forma como se dá aos outros, encanta qualquer um. O dirigente do acampamento confidenciou-nos que ela o derretia. A ele e a toda a gente, este doce de miúda.

Semana no Acampamento em Água de Madeiros (1)

A Maria fez amizades com quem cuidou dela nas actividades com as crianças e foi difícil pôr-lhe a vista em cima a semana inteira. Andava feliz pelo pinhal e muito bem adaptada. Participou em tudo o que lhe foi pedido e com empenho. Na hora de partir, chorou com grande pena. "Eu queria estar para sempre no acampamento com as minhas amigas."

11 agosto 2008

Tomás, 3 anos.


Estreei-me como tia, logo a triplicar, em 2005. Nem pelo facto de ser mãe me deixei de espantar com o milagre da vida: a minha única irmã, mais nova que eu quatro anos, também já tinha um filho. Todos os sobrinhos são diferentes, tal como os filhos. É maravilhoso vê-los crescer, estas pequenas pessoas. Gostamos tanto de ti, Tomás.

Uma semana já voou.


Água de Madeiros é amigos, família, tempo ameno, cheiro a pinhal e mar e muitos colos para os meus filhos e filhos dos outros. É tê-los o dia todo na rua e não estarmos preocupados. Aprendemos coisas novas, eles fazem novos amigos e limitamo-nos a estar à conversa, sem mais nada para fazer. Não troco por nada esta semana.


01 agosto 2008