30 março 2012

Salmos 139:9 e 10


"Se tomar as asas da alva, se habitar nas extremidades do mar, ainda ali a Tua mão me guiará e a tua destra me susterá."

Downton, again.

Richard: Do you always play charades on Christmas night?
Violet: This isn't charades, this is the game.
Richard: Do you enjoy these games? In which the player must appear ridiculous?
Violet: Sir Richard, life is a game in which the player must appear ridiculous.

29 março 2012


No meu canto do quarto, onde tenho as minhas tralhas e coisinhas, uma foto nova lá em cima. De nuvens, tirada por um amigo que se encontrou doente e de cama algum tempo. Nesse entretanto, tirava fotos às nuvens, sempre com aquela grua. Depois, ficou bom, e a grua deixou de existir. Aquela foto, além de ser bonita, relembra-me todos os dias que há sempre um novo amanhecer e que nada permanece no mesmo lugar. Nem as nuvens.


Maria Cavaco, quase 8 anos

"Mamã, porque é que os adultos choram pouco?"

Joaquim, consulta de oftalmologia


A evolução é lenta, mas positiva!
Voltamos à médica dentro de dois meses, e mantemos o tratamento com gotas.

Relatório médico:

"Operado a 21.9.2011 - enfraquecimento do pequeno oblíquo do olho direito. No pós-operatório, verificou-se alinhamento ocular e ambliopia do olho direito. Desde Novembro que está sob penalização com atropina e assistiu-se a uma recuperação da acuidade visual ( Dezembro 10%, Janeiro 40%, Março, 60%). Deve manter penalização do olho esquerdo e volta à consulta em Maio."

28 março 2012

Uma amiga escrevia há uns dias sobre como Deus prepara o nosso coração para coisas que hão-de vir sobre a nossa vida, com outras ao nosso redor. É uma verdade profunda que tenho vindo a experimentar. O facto de termos o nosso coração sensível para determinadas realidades amacia a nossa percepção para elas. Acaba por ser uma forma carinhosa que Deus tem para nos encaminhar para situações que noutras alturas acharíamos intransponíveis. Para que, em vez de reagirmos com o "Porquê eu?", saibamos estar à altura das circunstâncias.

Downton, again.


Lady Mary: “The truth is, Ethel’s made her choice and now she’s stuck with it.”
Lavinia: “That’s seems a little hard.”
Lady Mary: “Does it? Aren’t all of us stuck with the choices we make?”

27 março 2012

Porto

As meninas ficaram com a tia Raquel e o tio Miguel e os meninos com o tio Tiago e a tia Marta. Apanhámos o Alfa Pendular e rumámos ao Porto. Fomos muito bem recebidos, o tempo ameno deu para passear à noite, sem frio. Pernoitámos mesmo na zona histórica, num apartamento muito bonito, num prédio centenário renovado. No dia seguinte, fomos a este encontro onde o Tiago participou, e gostei muito. Entre outras coisas, este testemunho.

Depois de uma semana intensa, mudar de ares soube-me muito bem.
















22 março 2012

Felicidade além das circunstâncias

Quando vi este vídeo em Fevereiro, não deixei mais de acompanhar esta família. Queria saber o que ia acontecer com esta bebé e como iriam ultrapassar todos os momentos. A Nina nasceu em final de Fevereiro, com pouco mais de 2 kg e com o síndrome diagnosticado na ecografia, incompatível com a vida.

Supostamente, 90% destes bebés morrem ainda no útero, e dos 10% que chegam a nascer, 90% morrem na primeira semana. Contra todas as expectativas médicas, que sugeriam a interrupção da gravidez aos 5 meses de gestação, a Nina está quase a completar um mês de vida fora do ventre, e encontra-se em casa com os pais e irmão. O que o futuro trará, ninguém sabe, mas já viveu mais tempo do que algum médico calculou.



Fraco = forte.

"E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.

Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo.

Porque quando estou fraco, então sou forte. "

2 Coríntios 12:9-10

20 março 2012

Nascidos para viver

Para quem não conseguiu ver o documentário, já se encontra disponível online. É só clicar.



Downton, again.


Mary: I don’t have to marry him you know.
Matthew: If I thought for a moment that I was an argument against your marriage, I should jump into the nearest river.
Mary: And how would you manage that without my help?
Matthew: Well, I'd get you to push me in.

19 março 2012

Nasceu!

Ao final da manhã, a querer anunciar a Primavera, nascia a Laura, a juntar-se à -até agora- família de 3 da querida Lia, António e Lourenço.
Fico sempre sem muitas palavras, perante a felicidade de mais um milagre.

De 6 para 15, em apenas 10 anos.

Há mais ou menos 10 anos, fazíamos lanches quase todos os domingos, havia vagar para almoços junto ao rio e passeios. Éramos 6 e agora somos 15. O desafio agora, além de tentarmos que as nossas conversas tenham um sentido e cheguem ao fim, é manter 9 crianças num espaço sem incidentes.
Em breve teremos este grupo separado, porque a família do meu irmão irá para os Estados Unidos durante 4 anos. Mas sobre esse assunto não me apetece falar agora.






17 março 2012

Esbarrar em histórias de amor

À procura de fotografias antigas, tropeço em genes bonitos e comprometidos por mais de 50 anos.

Joanne Woodward e Paul Newman, cuja morte separou em 2008.





16 março 2012

Provérbios 31 ♥


(Acerca da mulher virtuosa)

Veste-se de força e dignidade, e ri-se sem receio do futuro.

O cheiro da terra molhada



15 março 2012

Luísa, a sobrinha nº 9




O lado rechonchudo dela fez-me lembrar a bebé Marta.

14 março 2012

Gostar de poemas de amor

"Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu não.
Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não."

Sophia de Mello Breyner Andresen

13 março 2012

Andar de bicicleta sem ajudas.

Ontem confirmei com os meus próprios olhos aquilo que já me tinham dito: o Joaquim começou a andar de bicicleta sem rodinhas nem qualquer tipo de apoio (ou ajuda) sem nunca ter andado em nenhum tipo de bicicleta (Nem com rodinhas, sequer! Nós não temos bicicletas, ele não costuma mesmo andar).

Pediu para andar na escola, e em poucos minutos, começou a andar como se já o fizesse há muito tempo.
Nem queria acreditar! Mas vi.

Handmade

A Filomena ofereceu-me este conjunto amoroso, pelos anos.
Se tiverem prendas para oferecer, pouca habilidade e quiserem algo personalizado, ela faz. É só irem ao blogue ou à página do Facebook. Vão gostar, de certeza!




Coisas bonitas

Entrar na cozinha pela manhã e ter Sol a entrar.

Fez ontem 5 anos que nos mudámos para este cantinho.

Almoço de família

e o que é que a Marta faz em vez de brincar?
Lava a loiça do almoço, pois claro! (Lavou mesmo!)




Quase Páscoa - II



Cristo morreu pelos nossos pecados
Foi sepultado e ressurgiu
Ao terceiro dia segundo a Escritura
Livro que nunca mentiu

Apareceu a Pedro e depois aos doze
Mais de quinhentos de uma vez só
Foi visto por Tiago e mesmo eu O vi
Pela graça de Deus sou o que sou.

Downton, again.


Mrs. Crawley :Of course it would be foolish of me to accuse you of being unprofessional since you have never had a profession in your life.” 

12 março 2012



Ao domingo cantamos juntos.

Deus está aqui
Tão certo como o ar que eu respiro
Tão certo como o amanhã que se levanta
Tão certo como eu lhe falo
E Ele pode ouvir.

10 março 2012

O Matheus tem 25 dias e é filho da minha amiga de infância, a Sara.




09 março 2012

Há um ano, tremia não só o Japão, mas também a saúde da minha amiga Cláudia, que fez parte das orações da nossa comunidade, largos meses. Hoje, agradecemos a Deus por tudo o que já tem feito e como tem cuidado de forma constante desta amiga.


(Boletim da nossa Igreja, 13 de Março de 2011)


08 março 2012

Da timidez.

Todos somos recatados e tímidos à nossa maneira. Mas a timidez de que vos falo é mais do que isso. Ser verdadeiramente tímido, é ficar a tremer só de pensar em falar em público. É saber que vamos estar num espaço cheio de gente, e perder a vontade. É fugir de actividades de grupo que exijam exposição (aqueles jogos quebra-gelo que se fazem são a pior invenção de toda a humanidade), é fugir de momentos em que nos é pedida mais iniciativa.

Com a idade vai-se aprendendo a gerir isto, e tem sido uma grande batalha para mim. Só quem é tímido compreenderá como é fácil sermos confundidos com pessoas verdadeiramente antipáticas, porque há momentos tão assustadores e que nos devoram, que nada nos gestos e expressões contém simpatia. A verdade é que nunca quis ser antipática para ninguém, mas os momentos de tensão que a timidez geram, assim propiciam.

Tenho tentado contrariar-me em muitos momentos em que acho que a timidez não deve ser mais forte do que aquilo que acho que devo fazer. Tantas vezes tive coisas úteis para acrescentar, mas que por timidez, num grupo não falei. E quem fala em grupo, fala em pessoas. Deixei muito por dizer, e dei por mim (e dou!) a ser mal interpretada.

Já tenho percorrido pequenos passos. Jamais me imaginei a falar para uma câmara de televisão, e já consegui. Ironicamente, em ambientes com pessoas conhecidas ainda me custa. Creio que custará sempre, e será sempre um esforço. O que tento no meio disto tudo, é vivê-lo com equilíbrio. Até porque ser tímido não é totalmente negativo.

Li este artigo e tocou-me bastante. Vale a pena ser lido, por quem luta contra este traço de personalidade, como eu.

Quase Páscoa



Cantamos a Ressurreição
Espanto que nos transporta
Som maior que as palavras
Aleluia!


Cantamos água viva
Bebida que sacia
De um poço mais profundo que a sede
Aleluia!

Cantamos Pão da vida,
Alimento que sustenta
Vindo de um fogo do céu,
Aleluia!

Cantamos a Ressurreição
Espanto que nos transporta
Som maior que as palavras
Aleluia!

Para a entrada da casa, perfeito:



07 março 2012

Arrábida



I can't help thinking that tradition demands a *little* mention of love.


Sir Richard Carlisle: I want you to marry me.
Lady Mary Crawley: Why?
Sir Richard Carlisle: Because I think very highly of you.
Lady Mary Crawley: "Very highly". Goodness.
Sir Richard Carlisle: I mean it. I think we'd do well together. We could be a good team.
Lady Mary Crawley: Now that sounds better. But I can't help thinking that tradition demands a *little* mention of love.

Em casa com a Marta

(teve febre das vacinas),

depois de arrumar o quarto todo, chega-se ao pé de mim, senta-se:

"Tu gostas mesmo de ter uma filha rápida a arrumar as coisas, não gostas, mamã?"

E o Verão que nunca mais chega!



No hipermercado com 4 filhos

quando reparo, está a filha mais velha a explicar ao irmão quais as diferenças e para que servem os soutiens com e sem "almofadas".

"Joaquim, este é para as senhoras que têm poucas maminhas. Assim vestem e parece que têm mais."

(Poupo-vos às comparações explícitas com pessoas que conhecemos, porque também usou de exemplos bastante práticos.)

06 março 2012

35

Desde ontem que estou mais próxima dos 40, que dos 30.
Foi um dia especial, de passeio e sem trabalho.